Núcleo 7

Realidades Virtuais

Num espaço exemplar do Património pré-Industrial, o Curtir Ciência propõe uma incursão pela Realidade Aumentada. Primeiro, numa viagem ao passado para conhecer o processo de curtimenta de peles tal como era feito na Zona de Couros no final do Séc. XIX. Depois, numa odisseia pelo sistema solar.

Apresentação de elementos virtuais em conjunto com imagens captadas online trazem novas percepções da realidade.

Quando associamos esta tecnologia do séc. XXI às atividades de curtimenta dos finais do Séc. XIX podemos evidenciar interativamente estas experiências.
Por outro lado, as novas tecnologias também permitem conhecer ciências que desde os primórdios dos tempos despertaram a curiosidade humana. Exemplo disso é a Astronomia e o movimento eterno dos astros celestes. Através da projeção sincronizada de imagens num túnel,é possível perceber o movimento dos diversos planetas do Sistema Solar.

Para além disso, é possível obter mais informações sobre um planeta em particular, bastando para tal uma simples interação através do toque na superfície do túnel.

anchor assistente virtual

Realidades Virtuais

MÓDULO 1

Processamento do Couro no Século XIX; Viagem Virtual ao Fabrico do Couro; Viagem Virtual à Industria Local do Século XIX.

Assistente Virtual

Descrição

Para começar é preciso pegar numa das raquetes disponíveis junto dos postos de interação, orientando a marca de modo a que esta apareça no ecrã. No ecrã, sobre a imagem da raquete surge um operário. Este irá reproduzir as tarefas de processamento do couro tal como se realizavam no Séc. XIX.

TOME NOTA

Nesses postos interativos são ilustradas as principais etapas de tratamento dos couros que eram utilizadas, no final do Séc. XIX, em Portugal e em particular neste local, a Antiga Fábrica de Curtumes Âncora, onde se encontra instalado o Centro Ciência Viva de Guimarães.

Tal só é possível se as marcas das raquetes foram colocadas, sempre, diante das câmaras instaladas em cada posto. Para repetir a animação, basta esconder e mostrar de novo a marca. Além disso, no primeiro posto de interação é possível personalizar o operário virtual. Para isso, basta mostrar e esconder a marca da raquete. O vestuário será alterado de acordo com as tuas orientações e o operário escolhido aparecerá nos outros dois postos com a personalização definida no primeiro posto.

Esta experiência dos Assistentes Virtuais tem por base a tecnologia designada por “Realidade Aumentada”. Esta tecnologia, cada vez mais usada, permite que sejam apresentados elementos virtuais em conjunto com a imagem captada, sendo que a localização e orientação dos elementos são atualizadas em tempo real. No caso desta experiência, os símbolos impressos nas raquetes são utilizados para reconhecer a localização e orientação que os objetos virtuais devem ter relativamente à imagem real.

Hoje em dia, os processos utilizados para executar o tratamento dos couros são bem diferentes daqueles que nos são mostrados com a ajuda dos assistentes virtuais. De forma interativa, neste módulo podemos ficar a conhecer como era feito o tratamento do couro em épocas antigas, quando os curtumes constituíam uma importante indústria vimaranense com forte presença no espaço e zona envolvente do Centro Ciência Viva de Guimarães.

Mergulhar

no universo do lugar…

anchor tunel interativo

Realidades Virtuais

MÓDULO 2

Viagem ao Sistema Solar, Exploração Espacial

Túnel Interativo

Viajar pelo nosso Sistema Solar. Visitar outros mundos. Aprender de que modo os planetas giram em volta do Sol

Descrição

Vai começar a odisseia espacial através do Túnel Interativo! Basta tocar nos balões informativos e viajar pelo sistema solar: a posição do Sol, os planetas – de Mercúrio a Neptuno – e a cintura de asteróides. A forma de túnel permite captar informação de dois pontos de vista opostos do sistema solar.

TOME NOTA

Esta navegação pelo sistema solar é automática: começa a partir da posição do Sol e prossegue a intervalos regulares, de planeta em planeta, começando por Mercúrio e terminando em Neptuno, após atravessar a cintura de asteróides.
A cada paragem, surgem pontos de informação com os quais é possível interagir para saber mais sobre o corpo celeste mais próximo. Por outro lado, é também possível concluir que a projeção curva em forma de túnel permite captar informação de dois pontos de vista opostos do sistema solar, com o intuito de proporcionar uma viagem mais intensa e imersiva.

Na realidade, a velocidade a que uma nave espacial viaja pelo espaço é variável, dependendo de vários fatores relacionados com as características da própria nave, mas também de condicionantes externas, como, por exemplo, as influências gravíticas dos corpos celestes.
A título de exemplo fica esta informação: a velocidade máxima alguma vez atingida foi de 62000 Km/hora e foi conseguida pela nave Voyager 1, numa travessia em sentido contrário ao do Sol.
Assim, se na prática o visitante fizesses a distância desta experiência, demoraria cerca de 39 dias a simular o percurso do Sol até Mercúrio!

Há vários anos que a exploração do sistema solar é uma realidade, mas tal acarreta enormes implicações ao nível dos recursos materiais, monetários e do próprio conhecimento. Como tal, o lançamento de uma sonda espacial é um acontecimento de grande responsabilidade, que deve ser bem planeado no sentido de garantir que todas as normas de segurança são devidamente cumpridas. O conhecimento dos múltiplos fatores que podem afetar a viagem é fundamental para o sucesso da mesma.

btt