Núcleo 1

Comunicações

.

COMO COMUNICAVA O HOMEM NOS FINAIS DO SÉC. XIX? COMO EVOLUIU O SISTEMA DE COMUNICAÇÃO ATÉ AOS DIAS DE HOJE? CONSEGUES IMAGINAR UM MUNDO SEM INTERNET E SEM TELEMÓVEIS?

Desde que o homem sentiu necessidade de convívio social que a comunicação assumiu extrema importância. À medida que a Humanidade foi evoluindo, ao longo de milhares de anos, a forma de comunicação conheceu múltiplas mudanças. Hoje, comunicar é cada vez mais fácil graças às evoluções tecnológicas. Internet, telefone, telemóveis e computadores portáteis cada vez mais sofisticados são indispensáveis ao dia-a-dia do Homem.

Mas como era há 100 ou 200 anos?

No tempo dos nossos trisavôs, por exemplo, comunicar a grandes distâncias era algo muito difícil e demorado. Com um pouco de esforço podemos imaginar como seria difícil a comunicação à distância numa altura em que não havia telemóvel nem internet.

Com os avanços tecnológicos cada vez mais sofisticados e frequentes, hoje não enfrentamos essa dificuldade. Conversar com um familiar ou um amigo que se encontra a 600 quilómetros de distância é possível através do recurso aos avançados sistemas de comunicações sem fios.
Neste núcleo é possível conhecer e compreender as tecnologias mais comuns usadas para comunicar desde os finais do séc. XIX até aos dias actuais. E perceber como essa evolução alterou a percepção que as pessoas começaram a ter do próprio meio em que viviam. Acima de tudo, é possível avaliar a importância da Comunicação na evolução da Humanidade.

anchor tubo falante

Comunicações

MÓDULO 1

Conversa através de um tubo

Tubo falante

A nossa voz viaja pelo ar a velocidades próximas de 340 metros por segundo. Se não houvesse atenuação do som, quanto tempo demoraria essa voz a chegar:

… AO EGITO (3 800 km)?
Resposta: 3.1 horas

… À ÍNDIA (8 000 km)?
Resposta: 6.5 horas

… À NOVA ZELÂNDIA (20 000 km)?
Resposta: 16.3 horas

Descrição

Há 100 anos, falar a grandes distâncias era muito difícil. Basta pensar que não existiam ainda as tecnologias que hoje são comuns e fazem parte do nosso quotidiano, como o telefone, mas principalmente o telemóvel e a internet.
Podemos perguntar: se assim era, como é que as pessoas comunicavam à distância? No séc. XIX, um dos meios de comunicação mais comuns era o uso de tubos que permitiam a comunicação entre pessoas presentes em diferentes salas de edifícios ou barcos.

O som emitido num determinado ponto vai sendo progressivamente atenuado à medida que aumenta a distância a esse ponto. De tal forma que a partir de certa distância o som deixa de ser ouvido. Como fazer, então, para estabelecer uma comunicação a certa distância? Resposta: usar um tubo. Com o recurso a um tubo, é possível que duas pessoas falem e se compreendam a 90 metros de distância!

O som emitido num determinado ponto vai sendo progressivamente atenuado à medida que aumenta a distância a esse ponto. A partir de certa distância, o som deixa de ser ouvido.
Recorrendo a um tubo, consegues falar com um amigo que se encontre a 90 metros de distância!

anchor cabina de comunicacoes espaciais

Comunicações

MÓDULO 2

Comunicação a grandes distâncias.

Cabina de comunicações espaciais

E que tal telefonar para Marte?

Descrição

É muito fácil conversar com um amigo que está a 600 quilómetros de distância recorrendo a um sistema de comunicações sem fios. As ondas electromagnéticas que asseguram as comunicações demoram apenas cerca de 2 milisegundos a percorrer esta distância. Assim, a conversa flui normalmente e até parece que estamos mesmo ao pé um do outro.

E se ele estivesse em Marte? Seria assim tão fácil manter a conversa?
De facto, não. As distâncias muito grandes fazem com que as mensagens demorem muito tempo a chegar ao seu destino, dificultando a conversa.

As ondas electromagnéticas que asseguram as comunicações propagam-se no espaço à velocidade da luz: quase 300 000 000 metros por segundo. Mesmo viajando a esta velocidade, as mensagens nunca demoram menos de 2 minutos a chegar ao planeta que passa mais perto da Terra: Vénus. E podem demorar mais de 418 minutos a chegar a Plutão!

Escutar o canto da água…

que flui aqui e ali no Rio de Couros.

anchor superficie lunar

Comunicações

MÓDULO 3

Telecomando a grandes distâncias.

Superfície lunar

Como será telecomandar um veículo que está muito, muito longe?
Sabia que as ondas eletromagnéticas viajam no espaço a quase 300 000 000 metros por segundo?!

Descrição

Como será telecomandar um veículo que se encontra na Lua? Difícil! Quanto maior a distância, mais demorada é a transmissão e o retorno. Este módulo permite telecomandar um veículo lunar seguindo as imagens enviadas por uma câmara.

A aventura vai começar! Imagine-se na pele de um astronauta a bordo de uma nave espacial que se afasta cada vez mais da superfície da Lua. A sua missão é telecomandar um veículo lunar apenas com base nas imagens que o veículo transmite, graças a uma câmara sem fios. A navegação do veículo faz-se com recurso a um telecomando que transmite instruções para o veículo e graças a uma câmara sem fios instalada neste e que transmite imagens para o posto de telecomando.

À medida que a nave se afasta da Lua é cada vez mais difícil para o astronauta telecomandar o veículo lunar. As ondas eletromagnéticas que asseguram a transmissão de informação demoram cada vez mais tempo a percorrer a distância entre a nave e a Lua, dificultando o telecomando do veículo. As ondas eletromagnéticas que transportam informações entre o veículo e o posto de telecomando propagam-se no espaço à velocidade da luz: quase 300 000 000 de metros por segundo.

MESMO ASSIM, AS ONDAS DEMORAM SEMPRE MAIS DE 1 SEGUNDO A PERCORRER A DISTÂNCIA QUE SEPARA A TERRA DA LUA

Telecomandar em tempo real veículos que se encontram muito distantes é tarefa muito difícil. A transmissão de informação entre o posto de telecomando e o veículo consome muito tempo. Não admira assim que os veículos usados na exploração de outros planetas possuam a capacidade de navegar autonomamente.

btt