Semana da Ciência e Tecnologia: Resumo

Publicado por Paulo Pereira

Informação de | Tags : , , , , , , , , ,

Mais de 600 pessoas “curtiram” a Semana da Ciência e Tecnologia 

 

Mais de 600 pessoas, entre alunos e público em geral, contactaram com as inúmeras atividades da Semana da Ciência e Tecnologia que o Curtir Ciência dinamizou entre 22 e 27 de novembro.  

Centenas de alunos e professores de várias escolas da região passaram pela Mostra de Robótica (dia 22), organizada em parceria com as escolas EB 2,3 D. Afonso Henriques,  Secundária Francisco de Holanda e Secundária Martins Sarmento e que visou dar a conhecer os projetos desenvolvidos por alunos e professores nesta área.

Pela Feira de Ciência (que decorreu nas tardes dos dias 23, 24 e 25, passaram várias escolas da região – Guimarães, Vizela, Braga e Vila Real), num contacto direto, através da experimentação, com as áreas da Química, Biologia, Geologia e Física.

Outras das atividades que esgotou em poucas horas o número limite de inscrições foi o “workshop” de Velas Aromáticas, no dia 26. Vários interessados vão ter que aguardar pela segunda edição, a desenvolver em breve.

Uma das atividades mais emblemáticas foi a visita do Curtir Ciência à Casa da Criança (no dia 27). Constituiu uma verdadeira festa de Natal animada pelos monitores do Curtir Ciência que demonstraram várias experiências científicas às crianças que habitam neste projeto da Associação de Apoio à Criança.

O balanço da Semana é extremamente positivo, na análise de Sérgio Silva, Diretor Executivo do Curtir Ciência. “Cumprimos a nossa missão de envolver diferentes públicos nas ações ligadas à Ciência e a adesão registada só nos dá mais força para prepararmos novas e aliciantes atividades. Acima de tudo, a Semana da Ciência serviu para pormos em prática a nossa responsabilidade social no seio da comunidade em que nos inserimos. Procuraremos replicar noutras instituições a experiência que desenvolvemos na Casa da Criança, levando um pouco de calor científico a menores que enfrentam situações de fragilidade”, salienta Sérgio Silva.

btt